Pom Poko – Especial Studio Ghibli

pp

Hoje vou falar de Pom Poko, de 1994, dirigido por Isao Takahata.

*ZONA DE SPOILER, VÁ VER O FILME*

O filme mostra o crescimento das cidades no Japão sobre o ponto de vista de uma comunidade de guaxinins. Eles acabam ficando sem lugar pra morar e começam a usar seus poderes mágicos para espantar a população e os trabalhadores. Eles tentam de tudo. Quando não tem mais jeito, alguns deles começam a viver entre os humanos, enquanto os que não conseguem usar mágica vivem escondidos em parques. Mas é importante lembrar que em momento nenhum os humanos são colocados como vilões, muito embora estejam destruindo a natureza.

O filme tem um roteiro simples e bem escrito. Tem umas 2h de duração e elas passam voando. Adorei! Ele tem narração e ela funciona muito bem. Até porque nós não conhecemos a perspectiva dos guaxinins né…Ah é, pois é, o filme é narrado por um dos guaxinins. É interessante ver a organização deles em torno de sua sociedade. E eles acompanham as notícias pela TV e tomam suas decisões a partir dela, o que bem engraçado. E ele é cheio de músicas divertidas. Dá vontade de cantar e encaixa bem na narrativa. Aliás, a trilha sonora é muito boa no geral.

pom

A fotografia também é bem legal, mesmo os planos sendo simples. E eu adorei as cores. É interessante que os guaxinins vão mudando o estilo de desenho dependendo da situação. Perto dos humanos eles assumem forma bastante realista. No entanto, quando estão sozinhos, eles tem mais cara de desenho animado, são bípedes e alguns usam até roupas.

Tem algumas horas bem complicadas. Um dos guaxinins é meio extremista e quer matar todos os humanos. Ele inclusive consegue uma arma e ameaça os companheiros. Ele acaba reunindo um grupo de guaxinins que concorda com ele e eles se transformam em manifestantes. Durante uma batalha todos acabam morrendo. É sinistro. Mas na verdade tem a ver com os princípios do budismo (religião presente no filme) de procurar seguir o caminho do meio, e proporciona uma reflexão muito bacana.

poko

A minha cena preferida é a em que tem dois homens numa mesa conversando e um deles está contando pro outro  que viu um casamento de raposas. O outro convence ele que esse tipo de coisa não existe. Enquanto eles falam, está acontecendo atrás deles uma demonstração de mágica dos guaxinins com o intuito de dizer que os espíritos da floresta querem que a floresta seja deixada em paz. Essa cena é legal por mostrar que às vezes a mágica esta na frente dos seus olhos e você não vê. E tem uma transição super legal em que uma folha ocupa toda a  tela e mini maquinas (tipo escavadeiras e essas coisas) destroem a folha tipo insetos em uma plantação.

É um filme muito bom, que deve ser assistido com bastante atenção. Conte nos comentários o que achou sobre o filme e sobre o que ele te faz pensar.

Anúncios

1 Comment

Comente

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s